Em que acreditamos

  • Acreditamos que o feminismo permite lançar dúvidas sobre todos os sistemas que produzem desigualdade em e que também é um processo reflexivo por meio do qual podemos trabalhar para desmantelar as modalidades de opressão interconectadas.
  • Acreditamos no trabalho colaborativo em espaços corajosos e amigáveis, porque a libertação é um processo coletivo.
  • Acreditamos que a arte é fundamental para a criação de sociedades prósperas e abertas. Por isso, também é aberto o acesso a recursos educacionais.
  • Acreditamos que a representação é importante.
  • Acreditamos que as experiências das mulheres e das pessoas não-binárias são variadas e complexas e valorizamos e honramos estas diferenças no conhecimento empírico.
  • Vemos nossa maior realização quando pessoas entram em uma oficina e aprendem que ela podem existir na Wikipédia e, por isso, ser um referência crítica de informações para pessoas como elas e pessoas que talvez nunca compreendam completamente, mas acreditem nelas.
  • Inspiramo-nos em heróis do passado e do presente: as mulheres de BLM e Idle No More, Marsha P. Johnson e Sylvia Rivera, Judith Butler, Berta Cáceres, Kathleen Hanna, Dolores Huerta, Malala Yousafzai, Cecile Richards, Nina Simone, Angela Davis, Sandy Stone, Kimberlé Williams Crenshaw e assim por diante.